26 agosto 2010

O Fim da era dos Antibióticos

Estava eu lendo um livro muito bom que acabei de comprar e me deparei com um assunto que há algum tempo estou querendo colocar aqui no blog, mas faltava-me inspiração. Faltava, não falta mais. O livro fala sobre o uso indiscriminado de antibióticos que ocorre na Saúde Pública.


Algumas pessoas me questionam e até argumentam contra, quando digo que não gosto de ir a hospitais, mas é uma situação que acaba sendo engraçada (para não dizer trágica). Não importa o que você tenha ou o quadro que você apresente, você vai sair com uma receita com alguns medicamentos, e entre eles sempre terá... Um antibiótico! Está com infecção urinária? Antibiótico. Gripe? Antibiótico. Dor-de-garganta? Antibiótico. Gastrite? Mais antibiótico.

Por incrível que pareça a maioria da população não sabe, mas o antibiótico possui ação contra bactérias, apenas bactérias. Se você está com uma gripe, essa pode ser causada por um vírus e, nesse caso, o antibiótico não ajudará em nada. Pior, agravará o quadro! Eu explico o porquê. Como disse anteriormente, antibiótico mata bactérias. Sendo o seu quadro causado por bactérias ou não, o antibiótico sempre estará matando também as bactérias do seu intestino. Elas constituem a principal linha de defesa contra todos os microrganismos que entram no seu corpo. Por isso que após uma antibioticoterapia, é indicado que o paciente tome Yakult ou qualquer outro repositor bacteriano.

A grande verdade é que em nome de um distúrbio facilmente curável por medidas práticas, promovem-se holocaustos de bactérias benéficas, deixando os intestinos, após um tratamento desses, à mercê de bactérias altamente patogênicas e tóxicas. Um triste exemplo é o do “megacólon tóxico”, infecção grave do intestino grosso causada por Clostridium difficile, após tratamentos antibióticos intensivos, com alta mortalidade.

Quando falo em medidas práticas, refiro-me a uma reeducação alimentar, alcalinização do organismo, limpeza intestinal etc. Por exemplo, esse inverno foi realmente bastante difícil, para onde eu olhava via gente doente, com dor-de-garganta, gripe, mal-disposta, e para mim também costumava ser assim. As coisas mudaram graças a uma pequena alteração que fiz no meu dia: ao acordar comecei a fazer um copo de suco de laranja. Fazer mesmo, não comprar embalado. É simples, rápido e te evita um monte de dor-de-cabeça, pois deixa seu organismo muito forte para combater qualquer invasor patogênico.
É o que eu sempre digo, “muitas vezes a cura é muito mais simples do que imaginamos”. Para quem ficou curioso sobre o nome do livro, aí vai - “Lugar de médico é na cozinha”, do Dr. Alberto Peribanez Gonzales. Sugestivo, não?!


24 agosto 2010

Anti-histamínicos (Dramin)

Quem nunca tomou Dramin na vida?! Seja para o alívio de um enjôo ou até mesmo para conseguir dormir. Mas você sabe o mecanismo por trás da ação do Dramin e por que dá sono?

O Dramin é um anti-histamínico, ou seja, ele inibe a ação da histamina nos tecidos. Histamina é a substância envolvida nos processos alérgicos. Ela é liberada a partir de estímulos como frio, calor, traumatismos (batidas), patógenos entre outros. Esses estímulos provocam a liberação da histamina e assim ocorrem todos aqueles sintomas típicos de alergia: vasodilatação causando calor, rubor, edema (inchaço), aumento de secreções, coceira, dor, inibição de apetite, enjôo e náuseas, aumento da vigília, irritação, aumento da secreção de ácido clorídrico do estômago etc.





O Dramin é um anti-histamínico de primeira geração, ou seja, foi um dos primeiros criados e uma de suas características é ser lipofílico (tem afinidade por gordura e assim, consegue atravessar membrana) e, por isso, tem a capacidade de atingir o sistema nervoso central (SNC). Sendo assim, age exatamente nas regiões responsáveis pela sensação de enjôo e náuseas, inibindo os receptores dos núcleos vestibulares e também o estado de vigília provocado pela histamina, por isso sentimos sono quando tomamos Dramin.

Para não ter esse efeito "sonífero", foram criados os anti-histamínios de segunda geração (Loratadina, Cetirazina, Ebastina), que não agem no SNC pois não conseguem atravessar a barreira hematoencefálica. Esses têm ação principalmente no estômago, diminuindo secreção gástrica e por isso são considerados anti-ulcerosos. Dentre seus efeitos adversos estão impotência, ginecomastia, febre, confusão mental e cefaléia.
O Dramin também possui efeitos adversos, embora poucas pessoas percebam: ressecamento dos olhos, boca seca e retenção urinária; a sedação pode ser considerada efeito adverso, mas também um efeito terapêutico quando se deseja obtê-la.

Uma curiosidade sobre a histamina: assim como várias outras substâncias, a histamina respeita os horários do ciclo circadiano e seu período de maior liberação é pela manhã; por esse motivo, pessoas que sofrem com rinite alérgica têm crises de espirro pela manhã.

Por isso é importante estar atento sobre o real efeito que se deseja obter quando tomamos um medicamento, pois para uma mesma finalidade (exemplo, inibir ação da histamina) podemos ter várias ações (supressão de enjôo, sono, diminuição secreção gástrica etc).

Dados Encapsulados indica...

Receita para um casamento feliz e duradouro:





rsrsrsrsrs.....

Uma ótima semana para todos!

20 agosto 2010

Kefir

Você já ouviu falar? Kefir é uma colônia de diversos microrganismos simbióticos, entre eles leveduras e lactobacilos, conhecido por ser um complemento alimentar probiótico. É uma bebida originária da região do Cáucaso, onde é considerado sagrado, por acreditarem ser um presente de Alá ao povo muçulmano. Por essa razão não pode ser vendido, apenas doado.

Só por essa história já parece bastante interessante, não?! Pois saiba que o kefir possui diversas propriedades medicinais. Ele é conhecido por ser antibacteriano, antifúngico, antiviral, anticancerígeno e antimutagênico. As duas últimas propriedades devido a um polissacarídeo hidrossolúvel formado no seu metabolismo que pode inibir o crescimento de tumores malignos(1). Louco, né?! Essas propriedades “anti...” devem-se à capacidade do kefir de limpar a membrana intestinal, que é o local de maior armazenamento dos microrganismos patogênicos e o principal local de acesso à circulação sanguínea. É ótimo para quem tem constipação intestinal! Você toma e pode ter certeza, não fica nada na barriga, limpa tudo mesmo!

Outra propriedade que poucos conhecem é a basificação do meio. No mundo moderno, onde tudo o que comemos deixa nosso organismo super ácido (incluindo-se lanches, chocolate, agrotóxicos, carne, açúcar...), essa função mostra-se muito útil, pois como já falei em um post anterior a acidificação do organismo deixa o mesmo mais propenso a infecções.

Quanto à aparência são grãos esbranquiçados (figura) que a maioria das pessoas cultiva em leite, porém quem tem alergia ao mesmo (e acreditem isso representa uma GRANDE parte da população) pode cultivar o kefir em água com açúcar, de preferência mascavo.




Essa água deve ser trocada todo dia e “os bichinhos”, como eu gosto de chamá-los devem tomar banho toda semana, senão podem morrer. Ou seja, dar uma lavadinha em uma peneira com água filtrada e depois retornar ao vasilhame de costume.

Como eu disse no começo, eles não são vendidos, por isso não é fácil encontrar kefir por aí, mas ontem eu achei um blog muito legal onde uma moça dá maiores informações sobre os grãos e faz doações!! Dá uma passadinha por lá. O endereço do blog é:

http://kefir-tesouroprobiotico.blogspot.com/.

(1)Shiomi M; Sasaki K; Murofushi M; Aibara K. Antitumor activity in mice of orally administered polysaccharide from Kefir grain. Jpn J Med Sci Biol. 1982 Apr;35(2):75-80.

19 agosto 2010

HDL e LDL


Dando suporte à "Dica da Semana" tem muita gente que tem dúvida sobre "bom colesterol" e "mau colesterol", então vou tentar dar uma explicada básica.

HDL é o "bom colesterol" que, em inglês significa high density lipoprotein, ou seja, um complexo de lipídeos e proteínas de alta densidade que fica circulando pelo sangue e capta gordura quando a encontra (figura). Depois que já está com uma determinada quantidade de gordura, esse complexo vai para o fígado, onde as gorduras serão eliminadas, na forma de bile.
LDL significa low density lipoprotein, e da mesma forma é um complexo de lipídeos e proteínas, só que de baixa densidade e faz o caminho inverso, ou seja, do fígado para o sangue e desse para a célula de vários tecidos. Esse colesterol fica armazenado nas veias e artérias e pode formar as placas de gordura ou ateromas, principal causa de infarto.
Concluindo, enquanto um fica se depositando onde pára e acumulando, o outro faz a "limpeza geral" do organismo.
É isso aí... Espero ter esclarecido um pouco!

18 agosto 2010

Açúcar, pra que te quero!?



Doce veneno! Sim, essa é a grande verdade. Quem consegue viver sem açúcar nos dias de hoje? Pão francês tem açúcar, biscoito cream cracker “integral” também tem, cereais matinais levam açúcar “demerara”, carne defumada também, catchup, pasta de dente, drágeas de vitaminas... Tudo tem açúcar. Por mais dramático que pareça, açúcar é o grande vício do ser humano. E não é de hoje. Começou com as frutas... Algum tempo depois vieram as Grandes Navegações que traziam tecidos, perfumes e especiarias do Oriente, e foi aí que o negócio complicou... Isso porque na Europa não tinha açúcar, era tudo importado do Oriente e custava uma fortuna, de modo que só os nobres podiam comprar. O comércio de açúcar era feito como hoje se comercializa droga! As pessoas ficavam viciadas e queriam cada vez mais, como a cocaína é hoje: uma coisa refinada até mais não poder, que vai direto para o sangue e causa uma série de alterações físicas e mentais no consumidor. Açúcar dá uma certa bobeira mental, cientificamente explicada pelo encontro da insulina com um aminoácido chamado triptofano que é rapidamente convertido em serotonina, um tranqüilizante natural. Não é à toa a mania de dar água com açúcar para quem precisa se acalmar!
Muitos estudos já foram feitos e vários livros escritos com tal tema, dentre os que mais gosto estão “Sugar Blues” de William Dufty e “Sem açúcar Com afeto” da talentosíssima Sonia Hirsch.

Vários males são associados ao consumo excessivo de açúcar:
• corrimento para as mulheres;
• bronquite, asma, rinite alérgica;
• falta de concentração nas crianças ( e nas “nem tão crianças”), manha, alternância de humor;
• aumento na produção de estrogênio, gerando impotência nos homens e intensificando o desejo sexual das mulheres;
• cárie;
• acidez sistêmica... Ambiente perfeito para infecções!

Olha, depois de ler sobre o tema, eu diria que nossa situação é desesperadora! Quem consegue ficar sem o açúcar no cafezinho de todo dia, sem a bala no cinema, sem adoçar o suco de maracujá?!?!?! Poderia discursar muito aqui, mas lhe dou uma dica valiosa que talvez você já saiba: o segredo está no equilíbrio. “Conhece-te a ti mesmo”. Faça algumas alterações, observe, exclua o excesso. O organismo é muito “adaptável”, faça proveito disso!