22 março 2011

Poema da Psicossomática

Inimigos ocultos
Um verdadeiro poema às doenças
Maurício Santini

Sofre de reumatismo:
Quem percorre os caminhos tortuosos,
Quem se destina aos escombros da tristeza,
Quem vive tropeçando no egoísmo.

Sofre de artrite:
Quem jamais abre mão,
Quem sempre aponta os defeitos dos outros,
Quem nunca oferece uma rosa.

Sofre de bursite:
Quem não oferece seu ombro amigo,
Quem retesa, permanentemente, os músculos,
Quem cuida, excessivamente, das questões alheias.

Sofre da coluna:
Quem nunca se curva diante da vida,
Quem carrega o mundo nas costas,
Quem não anda na retidão.

Sofre dos rins:
Quem tem medo de enfrentar os problemas,
Quem não filtra seus ideais,
Quem não separa o joio do trigo.

Sofre de gastrite:
Quem vive de paixões avassaladoras,
Quem costuma agir na emoção,
Quem reage somente com impulsos,
Quem sempre chora o leite derramado.

Sofre de prisão de ventre:
Quem aprisiona seus sentidos,
Quem detém suas mágoas,
Quem endurece em demasia.

Sofre dos pulmões:
Quem se intoxica de raiva e ódio,
Quem sufoca, permanentemente, os outros,
Quem não respira aliviado pelo dever cumprido,
Quem não muda de ares,
Quem não expele os maus fluidos.

Sofre do coração:
Quem guarda ressentimentos,
Quem vive do passado,
Quem não segue as batidas do tempo,
Quem não se ama e, portanto,
não tem coração para amar ninguém.

Sofre da garganta:
Quem fala mal dos outros,
Quem vocifera,
Quem não solta o verbo,
Quem repudia,
Quem omite,
Quem usa sua espada afiada para ferir outrem,
Quem subjuga,
Quem reclama o tempo todo,
Quem não fala com Deus.

Sofre do ouvido:
Quem prejulga os atos dos outros,
Quem não se escuta,
Quem costuma escutar a conversa dos outros,
Quem ensurdece ao chamado divino.

Sofre dos olhos:
Quem não se enxerga,
Quem distorce os fatos,
Quem não amplia sua visão,
Quem vê tudo em duplo sentido,
Quem não quer ver.

Sofre de distúrbios da mente:
Quem mente para si mesmo,
Quem não tem o mínimo de lucidez,
Quem preza a inconsciência,
Quem menospreza a intuição,
Quem não vigia seus pensamentos,
Quem embota seu canal com a Criação,
Quem não se volta para o Universo,
Quem vive no mundo da lua,
Quem não pensa na vida,
Quem vive sonhando,
Quem se ilude,
Quem alimenta a ilusão dos outros,
Quem mascara a realidade,
Quem não areja a cabeça,
Quem tem cabeça de vento

18 março 2011

Earthlings

Depois de um longo tempo sem postar (peço desculpas a quem sentiu falta), estava sem motivação para voltar a escrever e passar informações adiante, apesar de gostar muito disso tudo.
Entretanto, algo me motivou. Um amigo postou um documentário no Facebook e eu resolvi assistir. Depois de ficar muito chocada, achei que todos mereciam saber o que está acontecendo. Eu realmente estou sem inspiração, nem forças para discursar sobre esse documentário.
O vídeo se chama "Earthlings", alguns já ouviram falar e muitos dos que assistiram mudaram radicalmente seus hábitos alimentares.
O vídeo retrata sobre como os animais que vêm parar nos nossos pratos são tratados antes de estarem ali. É chocante...
Mas se você é um daqueles que não se importa com a condição do animal ou com o que fazem, acho interessante você saber o que está colocando pra dentro do seu corpo.

Na hora do abate é liberada uma quantidade enorme de hormônios de medo, adrenalina, cortisol, entre outros. É isso que vc está comendo (entre outras substâncias tóxicas). É por isso que conforme o tempo vai passando e você vai se intoxicando, a ansiedade aumenta e você não sabe porquê. O medo vem não sei de onde. "Do nada" você começa a transpirar, tremer , dá taquicardia e você vai tomar um remédio para passar tudo aquilo. Agora pensa no bifinho que você comeu no almoço, no animal que estava no seu prato, será que não era isso que ele estava sentindo segundos antes de morrer e agora está ali no seu prato?!

Acho que vale a pena assistir pois se queremos um mundo mais justo e humano, não basta apenas colocar a culpa nos outros. Comece por você! Comece pela sua alimentação...



Um bom final de semana para todos, com muito mais amor!
Abraço!